Nov | 28 | 2017 Chronicles 35 minutes read

Light and Shadows: Reconciliation

Disclaimer: this article is not yet fully translated to english

Chapter I - The Windy Night

"How much longer... before I lose my mind completely?" These were the words crossing Valerie's thoughts every morning. She looked at the dawn through the windows of her quarters, sometimes trying to understand why fate still offered her the opportunity to do so.

Valerie's resignation to shadow magic put her in deep reflection inside her garrison at Lunarfall. While the incursion at Draenor took place incisively, she remained absent from the battle. Locked behind the gates of her castle, she analyzed alternatives to the shadows, while bittering her memories. The Mind Sealers daggers had been sealed in a chest in her chambers, with a lock attached to a crypto, a little taste of the old days when she could still apply engineering as an entertainment. Times sealed in memory, as those daggers in that chest.

Months had passed, and the detailed study of artifacts recovered from Ulduar and Uldaman brought great advances in her knowledge about engineering, she had insights of new devices, methods for information storage and transmission... A revolution in the archaic paper and ink methodology, used until then. However, nothing could bring the spark of an idea to the solution of the real problem: Magic. Shadow magic. Valerie focused her efforts on finding a solution that would allow her to return to activity, a solution becoming more and more evasive as her sources of research and her motivation became scarce. "How can a rogue act without shadows?" A tormenting thought that accompanied her along every sunset that crossed the seasons behind those walls. Time does not wait.

It was late, the winds were strong that night, stronger than usual. Valerie's exposed arms felt the icy caress of those airs, as she vigorously polished an Ulduar artifact with a thick piece of cloth. Sitting on her bench by the door of the workshop, she did not even notice when Assistant Engineer Zaren Hoffle approached from opposite side of the room: "Madam, I request permission to go, I believe I will not be able to make any further progress today.", Zaren said as he carefully removed his magnifying goggles. "At ease, Zaren, I'll stay a little longer." Valerie leaned back, resting her back against the metal back of her bench, trying to relax. Her eyes struggled to focus the three large gears on the workshop ceiling, after the long day of work. The gears were motionless, as was the progress of her research. The generator had been turned off for hours.

She could hear Zaren's footsteps farther and farther away, slowly being replaced by the sound of insects in the surrounding trees. She closed her eyes and allowed herself a reverie for a few minutes. She thought of the clear plains of Nagrand in Outlands, the long offensive period at Naxxramas... but her thoughts soon succumbed to the pair of daggers she looted from the cave at the Ice Crown Citadel cliffs, months after the fall of the Lich King. She lost herself in thoughts of the possibilities of what her life could be if she had taken different decisions.

Valerie suddenly opened her eyes, a loud metallic sound waked her up from an unplanned sleep in the workshop. On the floor, she could see the piece of cloth she was using to polish and a scrap bar that had just rolled from the table. "How long have I slept?" She looked out and watched the warehouse for a few moments, she could see the reluctant dance of the trees with the strong winds of that dawn, a bucolic scene framed by the wide open door. She hugged her arms, and was taken by surprise by a thought: "The door is open... Why can't I feel the wind?!" She got up quickly and ran to the workshop entrance, only to be hurled to the floor by something stiff, motionless and... invisible.

Chapter II - The Stalker and the Prey

There, in front of her, two large bright blue eyes emerged, materializing in midair. The brightness of the room diminished, revealing the workshop door blocked by the head, thorax, and front paws of the creature that emerged from its invisibility: a large, rustic reptile, triangular head and a protruding mouth, body wrapped in dark polished scales and all its back covered with thorny formations that went almost to the ceiling. "A Shaded Plainstalker!" Valerie thought as she took a defensive stance. There was something strange, though... She knew the plainstalkers in that region well, at least a dozen of them had been wiped out by her and her team during the garrison's construction, they were always dark purple in color with yellow marks and eyes, and grew not more than four feet long. This, however, was a massive creature, noticeably much larger than normal, with a dark blue color and stripes and bright blue eyes as if emanating icy fire.

The rogue rose quickly as the animal tilted its head, analyzing her. With a step back, Valerie assumed an evasive posture, avoiding two quick blows that came without warning from the animal, it was much faster than the size of its body seemed to allow. It made a long squeak as it pulled back its paws and opened the huge mouth, staring at its prey. Fatigued, the rogue reached into her back pocket desperately for something, but before she could remove her hand from there, the creature hit her violently with its right paw, knocking her down and holding her to the ground, trapping her left arm behind. Immobilized, Valerie reacted by stretching her right leg, kicking the metal bench from her desk, knocking it over her leg while the creature's huge mouth with two rows of triangular teeth enveloped it, crushing it and still piercing the rogue's leg.

Her mind ordered a scream, but her body was only able to produce a muffled groan of pain as she felt the animal biting stronger, slowly grinding the bench that prevented her leg from being torn apart. With her right arm, she was searching for anything within reach... As if by a move of destiny, she found on the floor the scrap bar that had fallen from the table. In an inaccurate movement, she struck a blow on the animal's head, piercing it lightly, trapping the end of the bar between the scales, but the animal remained unshaken.

Pushing the bar, afflicted, Valerie began to feel stunned as her vision became hazy and increasingly distant. "Venom!" - she thought. The creature's thick saliva covered her leg and her wounds, the toxin was already acting and soon she would be paralyzed... It was a matter of time, and time does not wait. Almost unconscious, she did something she had deprived herself for many months: like a reflex, in a faint sigh she pronounced: "Cloak of Shadows". Immediately, a thin dark layer covered her whole body, eliminating the venom from her blood. The shadows were comforting. For about five seconds she would be lucid again, immunized from the toxin... Yet something inexplicable occurred: In less than a second, the entire shadowy layer that covered her body shifted to her right arm, flowed through her hand and the metal bar, being sucked completely by the scales of the animal's head.

The animal loosened its jaws immediately, emitting a sharp squeak as its head disappeared in a flash of bluish light, hurling the metal bar away. Released from her predator, the rogue rolled to the side and finally managed to remove from her left pocket a casing containing a dark powder, throwing it to the ground and producing a thick cloud of smoke. For the second time she had to make use of the shadows, vanishing, taking a stealth stance. She grabbed the thick piece of cloth from the floor and pressed it against the wounds in her leg as she scrambled to the back of the workshop.

Valerie leaned her back against the heavy iron door of the generator, beginning to feel a slight vibration and a loud, heavy sound, like a deep buzz coming from the coils inside the cabin. Somehow the generator had been started again and the mechanical components were moving, lights lit on the panel, and the big gears on the workshop ceiling slowly began to spin, making a crackling, incremental sound.

Extending her weakened leg on the floor, she looked across the room, viewing the animal's head reappear from its invisibility. The place where once was stuck the metal bar was now a mass of bristling scales that shimmered giddily blue light. Recovering from the concussion, the rogue tried to understand what had happened for a brief moment, but her pain was much more blinding than those luminous scales. The animal looked around trying to find her, as the wound on its head went out. Its blue-fire eyes glowed brighter, exploding with anger. It made a long squeak and disappeared, making itself totally invisible. The rogue realized it was slowly entering the workshop when she saw the twisted remnants of the metal bench being pushed aside by the invisible mass.

Chapter III - The Dance of Shadows

A dor de Valerie puxou seus olhos para o tecido cobrindo seus ferimentos, que se tingia de vermelho carmim. O sangramento não parecia estancar e ela sabia que sua furtividade seria dissipada assim que uma gota de seu sangue tocasse o chão, revelando sua localização. Era questão de tempo, e o tempo não espera. Olhou angustiada para os lados e viu a maleta de ferramentas de Zaren, guardada no armário à sua direita. Tentando controlar seu próprio fôlego, ela estendeu o braço esquerdo sobre o corpo em um esforço para alcançá-la, mas não conseguiu... Pressionou então o tecido em sua perna com a mão esquerda e estendeu o braço direito, puxando a caixa de ferramentas com a ponta dos dedos ensanguentados... mas estava nervosa demais e o sangue em sua mão não lhe deu a firmeza que precisava. A maleta escorregou e caiu ao chão, abrindo-se e espalhando as ferramentas em um estrondo metálico. A ladina gemeu de frustração e dor, e pode ouvir um chiado rápido do animal que reagiu ao barulho.

Valerie parecia nunca ter estado tão apavorada, sentia seu coração disparado e pulsando em seu pescoço. Ela ofegava em alto som quando percebeu com os dedos da mão esquerda que o tecido estava cada vez mais enxarcado. Seus olhos aflitos que procuravam por qualquer sinal da criatura voltaram-se para baixo, e ela viu... Um filete de sangue escorria pela parte interna de sua coxa, desenhando no chão de carvalho uma meia lua escarlate que refletia as luzes do gerador. Sentiu seu refúgio nas sombras se dissipando, e ao mover seus olhos para cima pôde observar enquanto a imensa massa azul-escura surgia a menos de um metro com olhos incandescentes e implacáveis. O animal se levantou sobre as patas traseiras, dobrando de altura, e a ladina suspirou... fechando os olhos com força.

E então, o tempo finalmente pareceu esperar. Com seus olhos fechados ela aguardava o momento... que não queria chegar. Segundos pareciam inteiras dezenas de minutos enquanto a imagem queimava em sua mente: Os dois grandes olhos azuis. Era como rever o próprio Lich Rei em seu patamar na Cidadela da Coroa de Gelo. Valerie sentia-se inerte, desmantelada. Sua renúncia às sombras foi como o abandono a seu próprio espírito. A essência se perdera, dia após dia, deixando para traz a casca vazia da pessoa que superara a todas as adversidades daquele mundo. A salvadora de milhares não salvaria a si mesma.

Um súbito ruído se fez presente... O som alto de metal sendo retorcido retirou a ladina de seu transe; ela abriu os olhos como se acordasse em sua pós-vida: As grandes engrenagens do teto da oficina se sobrepunham, prendendo duas placas espinhosas do dorso do animal que, em sua investida, foi vítima de outro golpe do destino, que parecia jogar a favor de Valerie. Urrando, a criatura se debatia na tentativa de libertar-se da inesperada armadilha... as engrenagens não aguentariam muito tempo. Em um estado quase anestésico, a ladina baixou novamente seu olhar. A meia lua de sangue já era um círculo completo, vermelho e brilhante. Seus olhos viraram-se lentamente para a esquerda e em seguida para a direita. Via as ferramentas de Zaren espalhadas caoticamente pelo chão, exatamente como o caos em que se encontrava sua vida.

Talvez seu desespero, talvez a perda de sangue, ou talvez algo sobrenatural levou Valerie a acreditar que as sombras se moviam espontaneamente ao seu redor. Um leve movimento contínuo, ritmado... pequenos vultos escuros se aglomerando em um grande lençol negro sob seu corpo, numa dança hipnótica. Seu pescoço relaxou sobre o peito enquanto seu olhar se perdia na escuridão que se formava, aprofundando-se mais e mais no mar de vazio. Não via nem ouvia mais nada, apenas sentia seu corpo descer, flutuando levemente. Em meio ao breu, percebeu fragmentos abafados de conversas e memórias, mas não conseguia identificá-las.

Notou, então, uma imagem mais brilhante: uma fonte de luz ao longe. A luz a deixou curiosa, sentiu vontade de se aproximar. Ela percebeu que não sentia mais dor... Levantou-se e caminhou lentamente em direção à luz, atraída pelo forte brilho amarelado. Só ouvia seus próprios passos e o som abafado da cena que se revelava à sua frente. À medida em que se aproximou, viu então a si mesma, sete anos mais jovem, nas planícies de Nagrand em Outlands. Caminhava ao lado de Droxius e Leviatham, logo após uma grande batalha na arena. Sorria ao lado de seus amigos, dividindo os espólios e planejando como terminariam aquele dia tão glorioso. Droxius acalmava seu Tigre Zulian enquanto Leviatham tagarelava incessantemente, trocando de forma e colhendo cada erva que encontrava em seu caminho. Uma cena clara como a realidade, confortante e acolhedora. Era difícil conter a emoção de presenciar novamente aqueles tempos de forma tão viva.

Valerie mirou nos olhos de seu eu passado, que estranhamente olharam de volta para ela. Sua imagem jovial deu alguns passos em sua direção, soltando-se do plano da memória, e com um semblante sereno estendeu os braços. Como uma resposta quase involuntária, a ladina estendeu seu braço direito ensanguentado... respirou fundo e seguiu caminhando em direção ao seu passado. No entanto, percebeu passos que caminhavam exatamente junto aos seus, seguindo-a de perto.

Chapter IV - The Blue Light

A ladina virou-se lentamente para trás, deparando-se com sua própria imagem do presente. Via seus cabelos presos, sua roupa de trabalho e seus ferimentos, uma cópia perfeita de si... mas composta de puras sombras em movimento. Observou durante uma breve pausa, sentindo um sufocante aperto no peito, mas não se questionou. Seu reflexo sombrio manifestou-se: "Conheces o lugar onde pisas. Estiveste aqui antes... mas não desta forma, não tão longe.". Os olhos da ladina permaneciam fixos ao rosto suave de seu reflexo. A figura olhou por cima do ombro de Valerie, para a calorosa claridade da lembrança, e disse pausadamente: "A Luz... salvação que encerrará os tormentos. A conquista... ao final da última das batalhas. O grande refúgio... ao final da vida mortal. Digas-me... estás pronta a abraçar o teu momento?".

Os olhos de Valerie exitaram diante do questionamento, ela virou-se novamente para a memória que esperava por ela com os braços abertos. O vulto sombrio prosseguiu: "Este é o fim a que todos buscam, e que todos encontrarão. A Luz curará tuas feridas, apagará tuas lembranças ruins, e fará de ti... uma alma... sublime. Somente tuas memórias mais felizes serão preservadas, e nelas... permancerás. Este... é o fim. O tempo não existe aqui, minha criança. Não há novos começos, somente a eternidade... inerte... em benção."

Valerie caiu sobre os joelhos, não podendo conter suas lágrimas. Seus pensamentos estavam em total desarranjo. O vulto colocou as mãos sobre os ombros da ladina de forma carinhosa: "Quando renunciaste a mim, meu amor, teu espírito se rompeu. O vazio cresce em ti, lentamente... tomando-te. Perdeste uma parte... que terás de preencher: A Luz... ou a Sombra que ela projeta. Não há escolha errada, minha criança. Deixa que a Luz seja teu eterno berço, ou as Sombras... o teu caminho."

A ladina respirou profundamente e fechou os olhos, a imagem voltava-lhe à mente: a luz azul daqueles olhos incandescentes... Dos olhos de Arthas... Dos olhos do predador que a subjulgara... A luz azul... das lâminas seladas no baú em seus aposentos. A luz azul e fria que aos poucos havia se tornado amarelada, quente... e sagrada. Roubando-lhe a sanidade.

Valerie levantou-se e encarou sua memória, projetou um longo olhar melancólico aos três rostos acolhedores que a observavam: Droxius, Leviatham... e ela mesma. Sorriu, e então suspirou: "Em breve...". Virou-se para trás, estendeu o braço direito à sua sombra e segurou-lhe a mão, fortemente. A luz de sua lembrança sumia lentamente às suas costas, enquanto seus ouvidos se preencheram com as últimas palavras do vulto que a envolvia: "As sombras te guiarão, meu amor. Sempre.".

Toda a escuridão se dissipou como uma núvem negra em um tornado. Valerie se viu sentada no chão da oficina, envolta por sombras que circulavam em uma dança furiosa, devolvendo-lhe a lucidez e os sentidos. Era como se seu espírito perdido houvesse lhe encontrado, preenchendo seu corpo de forma violenta. Olhou para sua mão direita, que fechara fortemente. Percebeu que não segurava a mão de seu vulto sombrio, mas sim um velho micro-ajustador giromático da caixa de ferramentas de Zaren. Foi assim que compreendeu. Olhou para cima e viu o gigantesco animal tentando soltar seu último espinho das engrenagens no teto.

A ladina enxergava claramente, e sentia tudo como há muito tempo não sentira. Apoiou-se com a mão esquerda sobre o joelho, e com um impulso levantou-se em um movimento fluido, desferindo um golpe preciso com seu outro braço, cravando metade da ferramenta sob uma camada de escamas do pescoço do animal. Levou, então, sua mão esquerda ao cabo da ferramenta, segurando-a com ambos os braços, e utilizou o restante de suas forças para empurrar seu corpo para cima, ignorando sua dor e finalizando o golpe, penetrando totalmente o couro da criatura que preencheu a sala com um chiado histérico. Agarrada ao cabo ferramenta, Valerie fechou os olhos e disse calmamente, quase ao tom de uma prece: "Eu sou a comunhão com as sombras.". O turbilhão que dançava ao seu redor parou subitamente... as sombras mantiveram-se imóveis, como se aguardando por uma ordem. Ao abrir os olhos, a ladina proferiu: "Lâminas Sombrias.".

Um rápido tremor abalou a oficina enquanto as sombras que envolviam a ladina se convergiram para a ferramenta no pescoço da criatura. Uma cascata negra que fluía para o alto, tomando a forma de uma adaga sombria, dilacerando o ferimento. Valerie podia sentia a lâmina mágica perfurando a carne e os ossos do animal, que se debatia em desespero. O feitiço das sombras mais poderoso dos ladinos era, de fato, avassalador.

Mas, de repente, o inexplicável voltou a acontecer: A enorme quantidade de magia das sombras foi absorvida pelas escamas em questão de segundos... toda a cascata negra desapareceu, drenada rapidamente para o couro do animal. As escamas sumiram completamente, emitindo um cegante brilho azul que, desta vez, permaneceu. Valerie pôde ver perfeitamente enquanto uma esfera de energia se formava dentro do corpo transparente da criatura. Ela soltou o cabo da ferramenta e caiu sobre o joelho esquerdo, aliviando a dor em sua perna, ao modo que a esfera aumentava de tamanho sobre sua cabeça, presa dentro da silhueta do animal. Foi ao notar o zumbido do gerador e as ferramentas de Zaren se movendo no chão que finalmente entendeu: "Isso é... eletricidade!" O enorme globo eletromagnético disparava raios a tudo que era metálico ao seu redor, atravessando o couro do animal. As ferramentas estavam sendo atraídas pelo magnetismo, e o zumbido do gerador se fazia cada vez mais alto e agudo; toda a estrutura metálica da oficina tremia. As escamas invisíveis começavam a mostrar fissuras entre si, prestes a rachar... A quantidade de energia contida ali parecia... incontrolável.

Não havia para onde, e nem como correr. Tudo o que a ladina conseguia era rastejar, e foi o que fez... rastejou de costas até a parede ao lado do gerador, mantendo o olhar constante na criatura que agonizava à sua frente. O gerador emitia um ruído nauseante enquanto Valerie se esforçava em manter sua concentração a qualquer custo, ela sabia que só teria uma única chance. Notou o exato momento em que o couro do animal cedeu a uma fissura brilhante e larga, como uma bolha de gás ao explodir na superfície de um pântano. Em uma aposta final, ela não exitou: "Manto das Sombras.".

Capítulo V - The Reflex of the Night

Tudo aconteceu em segundos, que nos olhos de Valerie pareceram muito mais. Ao modo que o corpo da ladina cobriu-se de sombras, uma enorme nova elétrica explodiu de dentro do animal, varrendo os arredores; cada componente eletrônico da oficina foi arruinado instantaneamente pela onda eletromagnética. Encolhida ao lado do gerador, Valerie viu a onda atravessar seu corpo protegido pelo feitiço das sombras. Imediatamente ela ouviu um estrondo ensurdecedor quando o interior do gerador explodiu violentamente, disparando sua massiva porta de ferro para fora da oficina, em direção ao armazém, como uma gigante bala de canhão que levou consigo o corpo invisível da criatura. O manto das sombras de Valerie se dissipou, assim como a arrasadora nova elétrica. Esgotada, largada imóvel ao chão de carvalho, ela observou o armazém pela porta da oficina: Um grande caos de baús destruídos, minérios, ervas, reagentes espalhados em meio aos destroços do edifício... e a criatura surgindo de sua invisibilidade. Centenas de escamas escuras cintilavam lentamente, revelando o animal dilacerado, totalmente sem vida. Os grandes olhos azuis jaziam, deixando apenas dois orifícios negros e esfumaçados.

O odor de circuitos e carne queimados se espalhava pela guarnição enquanto a audição de Valerie se recuperava, permitindo-a notar a movimentação de pessoas que corriam até o local, confusas e assustadas com a cena bizarra. Pela porta da oficina ela avistou o vulto de Tessália Corvina, a druida, que chegou aturdida: "Por Eluna! O que aconteceu?!... Valerie!" — ela correu até o corpo estirado da ladina, acompanhada do Sargento Crowler, o intendente da guarnição, e começou a conjurar um feitiço de regeneração.

Crowler ajoelhou-se ao lado de Valerie, pálida, fria, com o olhar distante. "Srta. Bricks, consegue me ouvir?" — Ele disse, mas não obteve resposta... Ela respirava lentamente em uma mistura de meditação e coma, ausente, com seus olhos castanhos perdidos na carcaça do animal, que cintilava como o reflexo da noite estrelada na madrugada de ventania. A ladina parecia em estado de choque, e assim permaneceu por minutos, alheia às tentativas de comunicação de seus companheiros. "O sangramento não quer estancar!" — disse Tessália — "Precisamos levá-la ao o poço lunar com urgência!".

Mas, de repente, a ladina suspirou: "...a solução...". Ela virou os olhos para Crowler, agarrando-lhe fracamente o braço: "Sargento... preciso que... contate o batedor Valdez... Envie-o a Ashran... imediatamente.". Ela tentou se mover, sem nenhum sucesso; sua perna liberou uma nova corrente de sangue vívido. "Temos que tirá-la daqui agora!" — Tessália gritou em desespero, levantando-se e fechando os olhos ao iniciar um novo feitiço. Runas esverdeadas começaram a surgir em um padrão circular sobre o chão, ao redor de todos. Valerie olhou para Crowler mais uma vez, movendo lentamente os lábios gélidos: "Por favor... diga a Valdez que traga... Rangari Laandon... o mestre coureiro." Deixou sua mão cair do braço de Crowler, apontando para fora, mirando a carcaça do animal: "Aquelas escamas... guardam... a solução.". Crowler levantou-se e olhou para o massivo animal, jamais havia visto algo parecido em seus anos de serviço... uma aberração banhada de brilho azulado, uma visão grotesca e surreal.  "Tranquilidade!" — Tessália proferiu, abrindo seus olhos e levantando os braços. O grande círculo rúnico sobre o chão emitiu um suave brilho esverdeado, e o ar preencheu-se de orvalho.

Crowler baixou sua cabeça, vendo a ladina que acabara de adormecer aos seus pés... Atônito, disse em voz baixa: "Agora mesmo, Srta.", abaixou-se e segurou o corpo de Valerie cuidadosamente sobre seu ombro: "Mas antes... o poço lunar."

Talk about it...

Razor Cut 3

Witness a six-video PvP series telling a different Rogue Story about loss, vengeance, and addiction.

Watch the Series on YouTube